Sobre as velhas que puxam assunto

17 de abril de 2013
Velhinha não é velhinha se não puxar assunto na parada de ônibus. Se uma chegar do teu lado e não comentar algo totalmente necessário pra tua vida como "mas esse ônibus não chega nunca!", ou então soltar um "esse tempo tá com cara de chuva, já to vendo", devo dizer que se deve desconfiar desse ser ao teu lado. Se a criaturinha aparentemente frágil não abrir a boca, já pode-se permitir ter um treco e começar a achar que aquilo na verdade é um espião, um ladrão, um agente secreto, sim, um agente escrito tudo junto, a própria Vovó Zona (beijos pra ti, Sessão da Tarde).

Volta e meia me aparece algumas dessas. Estou lá feliz lendo algum livro que tenho preguiça de devorar em casa e já me vem alguma senhorinha reclamar do ônibus. Ou  do tempo. Ou da empresa de ônibus. Ou que se esqueceu do guarda chuva. Ou da cor dos meus olhos. Ou porque eu poderia sair na Playboy.

Certa vez uma dessas adoráveis criaturas cismou com meu cabelo e meus olhos.  Eu, sabendo da grande importância desse acontecimento (a cisma da velha), corri quando cheguei em casa para escrever o diálogo no Tumblr, porque ainda achava que Tumblr poderia ser algo legal como blog e as pessoas lerem e tal. Ninguém leu, mas valeu só por eu ter um registro a mais da minha vida sem graça e ter com o que encher linguiça nesse post também talvez sem graça e assim postar um diálogo. E lá vai o diálogo.

Pessoa: Tu faz baby liss?
Eu: Não, meu cabelo é cacheado assim mesmo.
Pessoa: Mas tu pintou o cabelo né? Essas 'luzes' não podem ser naturais.
Eu: Não, nunca pintei o cabelo.
Pessoa: Ah...
(silêncio, e o ônibus tá incrivelmente atrasado)
Pessoa: Que cor são teus olhos?
Eu: Verdes.
Pessoa: (quase arrancando meus olhos) Eu acho que não são verdes.
Eu: São sim, isso eu sei muito bem.
Pessoa: Não são, querida. Tá mais pra cor-mel.
Eu: ¬¬

Um diálogo realmente muito construtivo e que, com certeza, mudará a vida de cada um que ler. Aham.

Nessa outra ocasião foi algo mais aleatório. Duas velhinhas estavam já sentadas no banco da parada quando  eu cheguei. As duas me olharam de cima a baixo e depois continuaram a tagarelar sobre sei lá o quê. Aí uma delas puxa na conversa algo tipo "se me pagassem pra tirar a roupa, tiraria". Ri para mim mesma nesse momento. Aí a outra continua "ah!!!!!!!!!!! se eu tivesse a cinturinha de uma dessas meninas *olha pra mim* certo que tiraria sem pensar". Ok, né.

 

Follow by Email

Theme e conteúdo por Marina R. - © Marina's Journal 2011 ~ 2017